Esquema elétrico automotivo: função, componentes e estudo de caso

Você acha que seria capaz de diagnosticar as falhas de um sistema eletroeletrônico sem as informações técnicas?

Talvez sim, mas quanta dor de cabeça essas tentativas iriam te causar! Quantas dúvidas surgiriam ao longo do processo! Sem contar o tempo que gastaria para analisar o circuito elétrico do veículo até chegar às possíveis causas e falhas e, só depois, conseguir solucionar o problema.

Mas ninguém quer correr riscos ao trabalhar sem literatura técnica e sem o auxílio de um mapeamento elétrico dos sistemas automotivos, não é mesmo?

Neste artigo você saberá a razão pela qual você precisa de um esquema elétrico no dia a dia de sua oficina. Além disso, vai entender porque esse tipo de material é vital para a realização do diagnóstico automotivo e como ele pode te ajudar a interpretar o circuito elétrico como um todo.

Na prática, os diagramas elétricos permitem que você consiga identificar as cores dos fios; os terminais, tanto das centrais de controle, como os dos sensores e atuadores; e detalhes das ligações entre os diferentes componentes que fazem parte do sistema que estiver sob análise.

O que são diagramas elétricos?

Os esquemas ou diagramas elétricos são representações gráficas (desenhos) de circuitos elétricos e eletrônicos. Para interpretá-los é necessário concentração, além da capacidade de compreensão de símbolos e seus padrões de construção.

Por mais habilidoso e experiente que um técnico seja, para lidar com os circuitos elétricos é indispensável o conhecimento de alguns pontos referentes à dinâmica de funcionamento dos diferentes componentes. Para tanto, deve conhecer e dominar os seguintes pontos:

  • A leitura da simbologia padrão do esquema elétrico;
  • A interpretação exata das informações que constam nestes esquemas.

Neste contexto, a partir de agora vamos apresentar detalhes dos esquemas elétricos do Simplo, a fim de que você, caro reparador, possa extrair o máximo de informações com o objetivo de otimizar o tempo de serviço na oficina e, consequentemente, aumentar sua produtividade.

Esquemas elétricos + Simplo

A principal característica dos nossos manuais eletrônicos é a facilidade de visualização de diversos componentes e interpretação das informações disponibilizadas.

Nome do componente e identificação dos terminais

Nos manuais Simplo, as primeiras informações presentes nos esquemas elétricos são o nome do componente, sua simbologia, bem como as funções dos terminais que o compõem.

A figura abaixo mostra como são apresentados os sensores de posição do pedal do acelerador quanto a simbologia, quantidade e posicionamento de seus terminais.

Cores dos fios do esquema elétrico

Talvez seja uma das informações que mais auxiliam o reparador durante o processo de identificação do fio ou condutor que será utilizado para teste do componente ou do próprio chicote elétrico. A fim de facilitar a vida do técnico, os manuais Simplo disponibilizam uma legenda de cores bem definida e de fácil acesso, conforme mostra a imagem:

Observe que na figura acima temos o Oscilograma do sensor de posição da árvore de manivelas e pressão do cilindro do motor. Para realizar a captura do sinal do sensor (canal 2) é preciso, inicialmente, identificar o terminal 1 do sensor.

A maneira mais fácil e rápida de fazer isso é através da identificação da cor do mesmo, que no caso seria o de letra B, e de acordo com a legenda é um condutor de cor branca. Confira o esquema:

Identificação das funções dos terminais

Para a execução da análise e diagnóstico de falhas, o técnico deve realizar uma série de verificações no sistema. Portanto, deve identificar a função de cada terminal do componente sob análise, seja ele um sensor ou atuador.

Sabendo disso, nos diferentes manuais Simplo, procuramos mostrar de forma clara os diversos sinais presentes nos sistemas eletroeletrônicos, tais como: alimentação positiva e negativa, controle dos atuadores, resposta dos sensores, dentre outros.

Na sequência, a figura apresenta em detalhes a localização destas informações.

O técnico rapidamente identificará a função de cada terminal e poderá, por exemplo, utilizar o multímetro para confirmar se a central de controle do motor está enviando a alimentação elétrica de 5,0 volts para o sensor de posição da borboleta, inserindo suas pontas de prova nos terminais 4 e 5 do sensor lado do chicote.

Localização dos componentes nas central de distribuição elétrica

Um dos componentes fundamentais que garantem o perfeito funcionamento do veículo são as centrais de fusíveis e relés, que distribuem a energia elétrica para os diferentes componentes e formam os diversos sistemas eletroeletrônicos presentes no automóvel.

Se porventura, o veículo não entre em funcionamento ou algum componente apresente falha, uma das primeiras ações a serem realizadas é a verificação do estado dos fusíveis. Procure por algum mau contato ou rupturas, causadas por curto circuito ou sobrecarga no sistema. Para tanto é necessário que o reparador identifique, inicialmente, sua posição na central de distribuição elétrica e o valor correto de sua referência, ou seja, sua corrente nominal.

Ao desenvolvermos nossos manuais, procuramos mostrar o posicionamento dos fusíveis e relés. Por meio de desenhos, queremos ajudar os reparadores a visualizarem os componentes de forma clara e com cores que auxiliam na identificação, otimizando o processo de diagnóstico.

Confira a localização e a referência correta do fusível que protege o circuito da válvula de purga do canister.

Neste exemplo, observamos que o fusível ocupa a posição 45 na central de distribuição elétrica do vão do motor (CVM) e sua corrente nominal é de 15 A. Ou seja, se o sistema for submetido a uma corrente superior a 15 A, o fusível irá se romper e a válvula de purga do canister não entrará mais em funcionamento.

Conectores elétricos automotivos

Ao realizar um diagnóstico de falhas, um dos principais desafios do técnico automotivo é a identificação de um fio condutor, que está diretamente à Central de Controle Eletrônico. Isso acontece porque algumas centrais possuem conectores com mais de 100 fios, todos com posição e numeração específicas.

Para auxiliar o reparador nesta árdua tarefa, temos diversas informações quanto a cores, disposição dos terminais, formatos e vistas diferentes, sem falar nos desenhos que se aproximam às características do conector do veículo.

A figura 6 exibe o conector da central de controle do motor com a identificação de seus diferentes terminais, tendo como referência o módulo do motor.

Já na figura 7, temos a vista da numeração dos terminais e, como referência, o chicote ligado ao módulo de controle do motor. 

Para os técnicos que realizam esses tipos de verificação, diferentes opções de vistas facilitam a identificação do fio condutor no conector, tanto pelo lado do módulo, quanto pelo lado do chicote.

Alimentação elétrica e aterramento

Para que o veículo tenha seu perfeito funcionamento é necessário que todos seus componentes estejam trabalhando de forma regular, e para isso, é indispensável que eles recebam alimentação elétrica positiva e negativa.

Diagnóstico de esquemas elétricos: aplicação dos manuais

Para exemplificar as diversas funcionalidades da leitura e interpretação dos esquemas elétricos presentes no Simplo, vamos apresentar um exemplo onde o reparador conseguiu realizar o diagnóstico usando as nossas informações presentes.

Estudo de caso

Este caso foi cedido gentilmente pelo reparador Jarbas Peron, da PH Injeção Eletrônica. Vamos ao exemplo!

DEFEITO

Um veículo Volkswagem Up chegou à oficina com o sensor de pressão do coletor (MAP) em curto-circuito e com o conector cheio de água. Isso aconteceu por duas vezes.

DIAGNÓSTICO

O reparador, a fim de solucionar o caso, decidiu realizar um estudo mais detalhado do sistema. Através da análise do esquema elétrico do veículo, descobriu-se que o sensor de temperatura do líquido de arrefecimento tinha uma ligação em comum com o sensor de pressão do coletor.

CAUSA

Depois desta descoberta, o técnico fez uma verificação visual do sensor de temperatura, identificando que o mesmo estava danificado e permitia que a água pressurizada passasse para o chicote, Consequentemente, isso levava água até o sensor de pressão do coletor (MAP), ocasionando o curto-circuito. Depois disso, ficou mais fácil de resolver o problema.

Todas as informações sobre os esquemas elétricos, disponibilizadas neste artigo, são aplicadas nos seguintes manuais:

  • Injeção Eletrônica
  • Osci
  • SAS – ABS/ASR/ESP
  • Air Bag
  • Electra
  • Climatização
  • Mix
  • Manual de Câmbio Automático

Se tiver interesse em conhecer algum deles, acesse nosso site. Até a próxima!